sexta-feira, 5 de junho de 2020

Bolsonaro confirma mais duas parcelas do auxílio emergencial

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (4) que foi acertado o pagamento de mais duas parcelas do auxílio emergencial, mas com valor inferior aos atuais R$ 600. A informação foi dada pelo presidente durante sua live semanal, transmitida pelas redes sociais. 

“Vai ter, também acertado com o [ministro da Economia] Paulo Guedes, a quarta e a quinta parcela do auxílio emergencial. Vai ser menor do que os R$ 600, para ir partindo exatamente para um fim, porque cada vez que nós pagamos esse auxílio emergencial, dá quase R$ 40 bilhões. É mais do que os 13 meses do Bolsa Família. O Estado não aguenta. O Estado não, o contribuinte brasileiro não aguenta. Então, vai deixar de existir. A gente espera que o comércio volte a funcionar, os informais voltem a trabalhar, bem como outros também que perderam emprego”, disse. 

O auxílio emergencial foi aprovado pelo Congresso Nacional em abril e prevê o pagamento de três parcelas de R$ 600 para trabalhadores informais, integrantes do Bolsa Família e pessoas de baixa renda. Mais de 59 milhões tiveram o benefício aprovado. O novo valor ainda não foi anunciado pelo governo. 

O presidente também antecipou um possível aumento no valor do benefício do Bolsa Família, pago a cerca de 14 milhões de famílias em situação de pobreza e pobreza extrema. O valor do eventual aumento ainda será anunciado, garantiu o presidente, sem especificar uma data. 

“Acho que o pessoal do Bolsa Família vai ter uma boa surpresa, não vai demorar. São pessoas que necessitam desse auxílio, que parece que está um pouquinho baixo. Então, se Deus quiser, a gente vai ter uma novidade no tocante a isso aí”, afirmou.

Liberação de praia

Durante a live, o presidente defendeu a liberação de acesso às praias, que está proibida na maioria das capitais litorâneas do Brasil, e que a Advocacia-Geral da União (AGU) vai emitir um parecer favorável sobre o assunto. 

“O governo federal vai opinar favoravelmente para aquela pessoa ir à praia, agora o juiz de cada cidade, que vai recepcionar esses mandados de segurança, é que vai decidir se o João pode ir para a praia ou não. Eu não vejo nada demais ir para a praia, praia é saúde”, afirmou.

O fechamento das praias faz parte das estratégias dos governos estaduais e prefeituras para evitar aglomerações. O isolamento social é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e por especialistas como a principal forma de evitar disseminação em massa do novo coronavírus.
Repatriação

O presidente Jair Bolsonaro ainda afirmou que 23 mil brasileiros foram repatriados ao país desde o início da pandemia. São pessoas que ficaram retidas no exterior com o fechamento das fronteiras por centenas de países e estavam recebendo apoio logístico e diplomático do governo para retornarem. 

O governo ainda deve investir mais R$ 10 milhões para a repatriação de mais 3 mil pessoas que seguem sem conseguir voltar ao Brasil.

Nova Olinda do Maranhão registra 115 pessoas curadas na últimas horas



0
A Secretaria de Saúde de Nova Olinda do Maranhão, divulgou às 11:00 horas desta sexta-feira  (05), o Boletim Epidemiológico, registrando um novo caso positivo de COVID 19. Dois novos testes foram realizados. Um caso positivo e outro negativo.
O número de casos confirmados no município subiu 161 para 162 nas últimas 24 horas em Nova Olinda do Maranhão.
76 pacientes do sexo masculino e 86 pacientes do sexo feminino.
PACIENTES RECUPERADOS
A boa notícia é que o total de pacientes recuperados da COVID 19, passou de 60 para 115   pessoas que venceram o COVID 19.


Fonte: Blog do Cicero Ferraz

Prefeitura de Nova Olinda do Maranhão apesar da crise segue realizando os serviços de recuperação de ruas

A imagem pode conter: atividades ao ar livre e textoA prefeitura de Nova Olinda do Maranhão, mesmo em meio a grande crise que atravessa o país, os serviços de recuperação de ruas nos bairros do Trator, Vila Iracy e Vila Esperança, entre outras vias públicas do município, que também estão dentro do planejamento de revitalização da Secretaria de Obras, melhorando cada vez mais a trafegabilidade. 
O verão já está começando e os serviços de recuperação de estradas vicinais da zona rural também está programada
A prefeita Iracy Weba continua executando o Governo de Reconstrução, sempre procurando implementar realizações que possam oferecer maior conforto à população do município.A imagem pode conter: atividades ao ar livre

Mesmo com a grande crise do Covid 19 vivida atualmente pelo mundo e pelo Brasil, o município não está parado.
"A vida precisa continuar o seu curso normal. Estamos muito preocupado com este momento em que estamos vivendo, mas, temos procurado atender a população na questão da saúde, dentro das possibilidade do município", ressaltou a prefeita Iracy


quinta-feira, 4 de junho de 2020

Empresária Díria Morais de Santa Luzia do Paruá morre em São Luís vítima de covid 19

Vítima de covid  19 faleceu hoje(3) em São Luis  a empresaria  Diria Morais. Ela estava internada há 30 dias na UTI da Maternidade Marly Sarney e nao resistiu.

Ela estava grávida de 7 meses, a criança foi tirada e está passando bem. Ela é esposa do José Luís de Santa Luzia do Paruá. 

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Coronavírus começa perder força! Declaração de médicos de UTI e órgão da saúde indica que vamos vencer o vírus

O coronavírus pegou todos de surpresa e tem deixado um rastro de destruição por onde passa, sem medicação, sem vacina, e sem saber ao certo como surgiu, o coronavírus desafiou a ciência e estudiosos da saúde.
Agora aos poucos vão começando surgir boas notícias que gera esperança de todos nós, como por exemplo, a declaração do diretor da UTI do Hospital San Raffaele, de Milão, na Itália.
O médico abriu uma discussão falando apontando dados que comprovam o enfraquecimento do novo coronavírus.

Brasil teve maior número de novos casos e mortes no mundo em uma semana

31.mai.2020 - O presidente Jair Bolsonaro em cavalo em frente ao Palácio do Planalto durante manifestação a favor do seu governo em Brasília - Mateus Bonomi/AGIF/Estadão ConteúdoO Brasil registrou o maior um número maior de novos casos da covid-19 e de mortes no mundo nos últimos sete dias. Dados da Organização Mundial da Saúde revelam que o Brasil registrou 6821 mortes na última semana, contra 6777 nos EUA. Em termos de novos casos, o Brasil também liderou. Foram 151 mil casos no período avaliado, contra 141,4 mil nos EUA. Os americanos continuam liderando em números absolutos desde o começo da crise, com 1,7 milhão de casos. No Brasil, os dados oficiais da OMS registram ainda 498,4 mil. No domingo pela noite, o Ministério da Saúde atualizou os números sobre o país, apontando para 514.849 diagnósticos. 
Por ter de compilar os registros de todos os 193 países, a OMS publica os dados defasados. Ainda assim, trata-se do único registro oficial de todos os casos do mundo, submetidos pelos próprios governos. Em termos diários, o Brasil também é o líder. No dia 31 de maio, todos os países da UE somaram, juntos, 20 mil novos casos da covid-19. No Brasil, foram 33 mil. No mundo, foram 119 mil. Dados do Centro Europeu para o Controle de Doenças, uma agência da UE, também traz o Brasil no primeiro lugar na tabela com o maior número de novos casos nos últimos sete dias é considerada como uma métrica importante para saber onde está o epicentro dos casos no mundo e a curva atual. 
Fontes dentro da OMS apontam que a situação brasileira desperta "enorme preocupação", inclusive por conta da dificuldade de o governo estabelecer uma estratégia coerente. Mas a atuação diplomática do país pelo mundo tem sido a de abafar a crise, que mergulhou o Brasil num abalo inédito de sua reputação internacional, já afetada nos últimos meses.

O PAU QUEBROU !: como as torcidas organizadas saíram às ruas em defesa da democracia

Torcedores de diferentes torcidas realizaram manifestação na Avenida Paulista neste domingo (31) - ReproduçãoTorcedores de diversos grupos organizados dos quatro clubes paulistas mais tradicionais —Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo — ocuparam parte da avenida Paulista durante a tarde deste domingo (31). Membros de torcidas mais conhecidas e braços antifascistas se uniram em marcha pela defesa da democracia. Estima-se que havia entre 2 mil e 4 mil no movimento. O ato reuniu membros da Gaviões da Fiel, Mancha Alviverde, Independente, Torcida Jovem do Santos, Palmeiras Antifascista, Democracia Corintiana, e Porcomunas, além de outros grupos. A manifestação, que levantava bandeiras democráticas e também assimilou pautas contra o Governo Federal, terminou por volta das 14h, quando a Polícia Militar de São Paulo disparou bombas de efeito moral e balas de borracha.


Fonte: Uol

Auxílio virou empréstimo? Saiba quem precisará devolver os R$ 600 em 2021

aplicativo auxílio emergencialApós mais de 50 milhões de brasileiros terem recebido o auxílio emergencial de R$ 600, criado para minimizar os efeitos da pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2) para trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos, desempregados, integrantes do Bolsa Família e pessoas de baixa renda, o presidente Jair Bolsonaro sancionou lei em 14 de maio que faz com que parte dos que já receberam ou ainda receberão o benefício tenham que  devolver o dinheiro no Imposto de Renda no ano que vem.
Feita pelo Senado e sancionada por Bolsonaro, a mudança surgiu de uma negociação frustrada para os parlamentares com o governo. Inicialmente, a lei do auxílio impedia o pagamento dos R$ 600 àqueles que receberam mais do que o teto da isenção do Imposto de Renda, R$ 28.559,70, em todo o ano de 2018, mas a ideia era "trocar" 2018 por 2020, garantindo o direito de receber o benefício a quem precisa dele hoje, por mais que há dois anos "não precisasse", de acordo com esse critério de renda.
Assim, o governo tiraria a restrição de renda referente a 2018 e traria esse entrave ao pagamento do auxílio a quem teoricamente não precisasse dos R$ 600 neste ano. Porém, na prática, o governo manteve o impedimento dos que receberam acima do teto de isenção do IR em 2018 e ainda adicionou o bloqueio a 2020.


Fonte: Brasil Economico